terça-feira, janeiro 21, 2014

Lugar de nascença

Quando (me) vejo na cidade
com 7 olhos:
os do passado, os do presente, os da amiga-companheira-da-errância e o da máquina








percebo que o longe-perto é o lugar onde nasci, vivi, de onde fugi,
que atravessei sempre na diagonal, carregada de mistérios.







 
E, contudo, toda a vida gira à volta do meu igual-olhar, concêntrica como o jardim da Rotunda,
até à terra-chão que tão perto está.




5 comentários:

Jorge Lopes disse...

Bonitas imagens, algumas fazendo-me lembrar quadros de grandes pintores!

Luisa disse...

Magníficas fotos da tua cidade-mãe

jrd disse...

Que maneira tão bonita que eu encontrei para redescobrir e sentir -à distância- essa cidade de que gosto tanto.

Abraço Amigo de um lisboeta compulsivo.

heretico disse...

"Porto Sentido" - Sempre!...

M. disse...

La beauté du regard. Com ele também pintas a vida o pensamento e o sentir.