segunda-feira, julho 17, 2017

De cá do Norte

Há um cheiro diferente que vem das pedras que ficam à vista na maré-vaza, as formas extraordinárias dos rochedos com o desgaste dos séculos, das algas que se quedam fitas de tantos castanhos e verdes, a secar na areia até à volta da água fria, do vento que tanto encrespa as ondas como as acaricia, do nevoeiro que envolve o horizonte e o faz desaparecer como num sonho de vapor e espadas de luz.








Estas, as praias cá cima e a sua instabilidade, as suas fúrias e meiguices, são os lugares que sempre conheci. Um belo e terrível gigante, o mar deste país a norte. Da varanda das minhas casas, as que ocupei há muitos longos anos, via-se o mar...

Sem comentários: