segunda-feira, maio 15, 2006

Começar??

Humildemente, tentarei.
Ontem, o meu filho deu-se ao trabalho de aceder ao meu "ajuda-me a ter um blog". Com falta de tempo, não me ensinou tudo e a minha nabice em computadores não sei em que resultará!
Contudo, aqui vai.
Dizia eu, humildemente, porque não sei nada disto, nem tenho fotos extraordinárias, nem excertos de livros, nem nada a não ser "eu" e o meu reflexo, do que sinto e do que vejo. Tenho andado em blogs que aprecio, com comentários EP, uma espécie de "existam que há quem leia e se interesse". Quantos mais formos, melhor. Mas o que eu queria era encontrar o meu género, quem goste do que eu gosto, quem ensine o que sabe, quem partilhe, quem seja delicado, quem seja humanista ...Nesta fase da vida, estou fartinha de engolir o que não gosto. E decidi - ponto final! O blog será isto: se não gostar ... óptimo: "delete". Embora ainda esteja indecisa "to be or not to be", talvez melhore ...

4 comentários:

Ver disse...

Já não era sem tempo! Gosto de a ver por aqui.

Rita disse...

Pois eu gosto de fotografia, de musica, de pintura, de ler, de animais, de crianças, de trabalhos manuais, de conversar, de trabalhar na área que trabalho, de viajar, de rir, rir muito... e partilho tudo isto com os que me visitam. Queixo-me da minha falta de tempo, da falta de tolerância das pessoas, da má educação, da falta de respeito, da cobardia e egoismo, da tendência crescente para o individualismo... e apesar de tudo amo muito o nosso Portugal!

Beijinhos, beijinhos

isabel disse...

Viva
Li o seu blog - literalmente - de cima a baixo. Não pensava escrever uma palavra - sou do género furtivo e malcriado: bebo silenciosamente as palavras e as imagens como quem mata a sede e nunca agradeço a água - mas desta vez foi diferente. Você, pergunta-se aqui, neste post inicial, se haverá gente que a leia e se identifique. Há, pois olhe que há, e muita. Eu, por exemplo. Adoro as suas viagens, também faço as minhas, o seu olhar distante e estrangeiro para a realidade dos dias, a sua atenção ao pormenor. Também recebo cartas do Instituto de Emprego e também acredito que vou dar uma volta à vida, no sentido que ela me pede.
Por isso, disponha. A teia, de que fala acima, a teia das pessoas semelhantes que juntas podem formam uma entidade gigantesca como um cardume começa assim...com afinidades destas.
Prazer em conhecê-la.
isabelua

isabelua disse...

ah, afinal, não fiquei á disposição... A ver se agora...sim. agora sim...
isabelua