quarta-feira, agosto 15, 2007

Não-coincidência







Onde eu gostava mesmo de ter estado hoje!
No Algarve - e quanto eu gosto dele - não, porque há demasiadas manifestações de comida.
A julgar pelos telejornais ainda que vistos de relance enfastiado.
Em notícias desconexas, desde os very british advisors aos festivais de camarões com todos.
Relançam-se os tachos e à volta deles; vejo mesas compridas e não tanto. Parece-me genuína a alegria à volta da alimentação mesmo com alguns ossos duros e outras caretas.

Ah mas onde eu gostava mesmo de ter estado era...em Janas! Era hoje a procissão e a benção dos animais. Na linda e humilde igreja circular de S. Mamede.
Será que ainda se faz?
Percebe-se que, fugindo como posso de ajuntamentos, não me importava de me "ajuntar" ao povo e aos animais de Janas. O sítio é lindíssimo pela simplicidade, o campo à volta, o caminho da procura do lugar.

Diz-se que a igreja foi erigida sobre um templo romano. Na parte central há ainda parte de um pódio visível que se crê ter feito parte dum altar, dedicado à deusa Diana.
S. Mamede e Diana parecem-me bem, juntos pela Natureza!
Quando lá passei o silêncio era dos pássaros.

Talvez que alguém lá tivesse estado hoje e me faça saber. Ou será mesmo a imaginação que é sempre mais bela que a verdade; e assim me fico, a sonhar com abençoados bichos

40 comentários:

Pitanga disse...

Também gostava de ir ao Algarve mas no outono, ou na primavera. Nunca no verão que é um exercício de paciência. A cada canto...uma fila.
É, sou assim mesmo esquisita. Quando há festa num povoado qualquer sempre vou no dia a seguir quando todos já foram embora e aí aprecio a beleza do lugar.

beijos

Anónimo disse...

gostei muito de ter passado por este post...de acordo total"a imaginação que é sempre mais bela que a verdade"

ou"Quando lá passei o silêncio era dos pássaros."


bj.

***maat

Manuelinho disse...

O Algarve verdadeiramente belo é o do interior, ainda quase virgem.
Tens razão, "a imaginação é sempre mais bela do que a verdade" como bem sublinha a nossa amiga maat.
Bj

hfm disse...

O silêncio dos pássaros.

eremita disse...

as fotos são belas. Fala-nos de um Algarve que, felizmente, sobrevive à margem do turismo desordenado que por lá reinou. Deixei deo frequentar. Cansei das cidades. Estou bem no meio das pessoas mas sem ajuntamentos "selvagens", com músicas dissonantes e múltiplas, supostamente para nos animar, mas que tão só cansativa....
MNunca estive lá na altura da bênçãqo aos animais, apesar de achar bonito é dispensável pois eles, mesmo os predadores, estão mais perto do divino, da essência com que foram criados, porque se limitam a "ser" aquilo que são. E são claros, transparentes e os que vivem connosco amam-nos de uma forma incondicional. isto penso. Obrigada.
Boa continuação de semana.
Fraterno abraço

Kalinka disse...

Ora pois, e vai até Janas...
porque não???
Sou como a Pitanga, por isso, estive no Algarve em Março passado.

Love me tender, love me sweet, never let me go.
Love me tender, love me true, all my dreams fulfill.
For, my darlin', I love you and I always will.
ELVIS PRESLEY - 30 anos depois ainda E sempre presente no Mundo.

Belas palavras estas,
para serem ouvidas,
neste momento de tanta tristeza
saúde debilitada,
coração despedaçado,
alma negra,
que certeza?
Nenhuma...

Tostimara@gmail.com disse...

ai os moínhos...Como alentejana estão-me iscritos na memória e no gosto de os ver a trabalhar, por dentro, ou ao longe, na planície. Belas manchas de luz e cor com gaivotas adejando numa roda gigante feita vela k movendo as mós fazia magia, farinha, pão. E os moleiros sempre como k orvalhados por uma doce poeira branca como neve, mas com um cheiro doce e um ar morno ao seu redor.
Obrigada pelas tuas lindas fotos e palavras/memórias.
Bj
Luz e paz

jlf disse...

Sempre belíssimas fotografias.
Com textos a condizer: belos poemas prosados com uma delicada sensibilidade sempre pairando, num aconchego agradável.
Janas?
A tradição da benção dos animais e a procissão à roda da capela, ela mesma circular?
Conheço.
Bem perto que fica do meu tugúrio, donde hoje dei um salto à cidade...
Mas, daqui a nada, volto para lá.

Até...

Maria P. disse...

Minha amiga a romaria mais uma vez aconteceu!
Actualmente o número de animais decresceu bastante, mas a tradição manteve-se mais uma vez com os bichos (burros, vacas, cavalos e até avestruzes!)a darem as três voltas à Capela de S. Mamede! Com muita alegria e a presença de um Rancho Folclórico Saloio para animar a festa o dia foi decorrendo - noite dentro!
Passei por lá:)

Um beijinho*

Jardineira aprendiz disse...

Com esta mania de espreitar os comentários dos outros fiquei desconfiada que esta festa de S. Mamede ainda tem muito de pagã! As voltas dos bichos à igreja redonda! Quem disse que eles foram eliminados, os ritos pagãos? (Tive formandas que me contaram como talhavam o quebranto e faziam outras rezas aos animais, por isso sempre me parece que eles andam por aí).

Este é mais um sítio que daqui marco no meu roteiro, para quando a minha desalmada patroa me der umas férias decentes!

Bjinhos!

Ana Patudos disse...

Como gostaria de estar num lugar assim , agora, sem ninguém á vista, só eu e os pássaros, assim mesmo.
Obrigado por nos dares a conhecer tais lugares , que eu ( falo por mim) de outra forma nunca teria conhecimento
Fica bem
Ana PAula

teresamaremar disse...

É isso que importa, a capacidade de imaginar e de nos ficarmos a sonhar

:)

belas as imagens!

beijo

viajante disse...

A poucos quilómetros de Janas - três, cinco? - não estive lá na capela de S. Mamede.
Mas sim, houve de novo a Festa.
Bela e genuína.

Ana Ramon disse...

Que saudades tenho dessas paragens. Foi muito bom vir encontrar aqui fotos desse local por onde passeava nas manhãs de domingo.
Um beijinho grande

M. disse...

Meu Deus, tu corres pelo mundo em palavras e imagens!

Rach disse...

Bolas, como eu gostaria que me tivessem levado à tal benção. Eu gosto mesmo é do dolce fare niente alentejano e algarvio, onde as cegonhas são quem mais ordenam

beijitos

herético disse...

também eu gosto desses "ajuntamentos" de Povo. e dessas reminiscências pagãs.

Sophiamar disse...

Também eu gostava de ter ido até Janas. Essas tradições, memória do que nós fomos, devem ser mantidas e divulgadas.
Quanto ao Algarve, este onde me encontro a escrever, é calmo, apetecível, acolhedor pelo que tem de verdejante,puro, longe do bulício do litoral,e onde ainda se ouve o linguajar das gentes puras e simples de outrora que recebem o forasteiro como amigo e irmão.
Um pedaço do paraíso de onde até dói sair.
Como sempre, fico deslumbrada com as fotografias.
Beijinhos

OrCa disse...

Saudações!

Grato pela visita e comentário, achei por bem meter o nariz onde me chamam.

Em boa hora. Bons percursos. Belos olhares. A arte de gostar de ser e de estar. Em Janas, Briteiros e cidadão do mundo, também. O sentir o pormenor na paisagem arrebatadora, que a redimensiona e nos dá outro alento...

Um belo passeio de sábado, este que me caiu em sorte. Só por isso vou daqui ao Tejo, para quem não olho há muito tempo e está mesmo à mão de semear, que esta voltinha inspirou-me.

Abraço.

rui disse...

Olá Bettips

Moinhos de vento! Adoro!
A "floresta" de troncos está linda.
Respira-se liberdade e paz.

Que tenhas um lindo fim-de-semana

Beijinho

Cusco disse...

"Também eu gostava de ter ido até Janas. Essas tradições, memória do que nós fomos, devem ser mantidas e divulgadas.
Quanto ao Algarve, este onde me encontro a escrever, é calmo, apetecível, acolhedor pelo que tem de verdejante,puro, longe do bulício do litoral,e onde ainda se ouve o linguajar das gentes puras e simples de outrora que recebem o forasteiro como amigo e irmão.
Um pedaço do paraíso de onde até dói sair.
Como sempre, fico deslumbrada com as fotografias."

Assino por baixo!!!

Abraço!

Tozé Franco disse...

Gosto d Algarve mas não em Agosto.
Parabéns pelas fotografias.
Um abraço

miruii disse...

E se eu fosse um animal de Janas?
Era bom, não era? Pelo menos era abençoado por ti...
Picada amiga

Entre linhas... disse...

Parabéns pelas belas fotografias.
Bom fim de semana
Bjs Zita

Meg disse...

Claro que a imaginação é sempre mais bela que a verdade.
Olha-me para este país, de férias... governantes e governados.
Onde é que está a verdade disto que me rodeia. Sabes do que falo.
Quem me dera em Janes... em Agosto, se calhar sempre.
Rezingona, não estou?
Mas tenho-te a ti presente com as tuas imagens. E nunca mais é Setembro!
Um grande abraço

Sophiamar disse...

E regresso ao teu lar, que sinto um bocadinho meu, pela cor, pelo texto, pela simpatia, pela hospitalidade com que sempre me recebes.
Obrigada, amiga B.
Beijinhos

Teresa David disse...

As imagens calmas e belas em conjunto com a apelativa evocação da festa de Janas, abrem o apetite para ir a correr dar um salto ao Algarve. Mas como disse o Tozé Franco nunca em Agosto!
Bjs
TD

clotilde disse...

Olá!!!
Ainda não fui ao Algarve este ano.
Apetece-me tanto!!! Não ao algarve "very british", ou ao algarves dos Mckane (não se escreve assim) ou ao algarve das mariscadas e dos andré sardets deste país.
Queria ir para uma praia pequenina com agua turquesa, ou para uma alfdeia com doces tradicionais e com cestos de cana.
Alguém quer ir?


Gostei muito do texto.

Beijinhos

SILÊNCIO CULPADO disse...

Estes lugares bucólicos passam despercebidos a quem só procura da vida o trivial, apressadamente, como se o somar de experiências fosse um troféu e não uma experiência em si. Ainda bem que há pessoas capazes de ir ao amâgo das coisas, saboreá-las, partilhá-las e difundi-las. Maravilhoso, simplesmente.

Anónimo disse...

enorme abraço. seduzido pela beleza- de um post tão nostálgico quanto doce...


até breve.


obrigada.


/piano.

Sophiamar disse...

Desejo-te um bom dia e uma boa semana.
Beijinhos

TMara disse...

vim como quem vai de férias. Visitar lugares de beleza serena. deixo-te um beijo e desejos de
muita luz e paz ao teu redor.

TINTA PERMANENTE disse...

Faz-se a festa, faz-se!...
Talvez um pouco (como por todo o lado) moldada ao plástico da modernidade, mas vão-se aguentando as tradições!... Pena é, de alguma forma, a lonjura para quem é mais cá de arriba...
...
pois que devo, que é devido, pois então!, largos e grandes parabéns pelas fotografias...

abraço.

Teresa Duraes disse...

nada tenho a ensinar. Tinha 4 anos em 1974. Interrogações, muitas. Respostas, nenhumas como se lê. Não é o que percebo do que se passou ou deixa de passar. Em cada guerra/revolução os erros existem. Claro que se ganha e perde. Mas acima de tudo o que quero apenas escrever é que por vezes quando se pinta um muro a tinta apenas faz uma bolha onde esconde a humidade. O resto permanece durante imenso tempo escondido.

(estou ainda muito desconcentrada para visitar blogs. não pretendo ferir susceptibilidades, quero mostrar a minha visão da sociedade como a vejo. Algum cinismo, por vezes, quando pretendo brincar aos de hoje, muitas interrogações para perceber como chegámos a hoje.)

beijo grande

Era uma vez um Girassol disse...

Belo...Não conheço.
Para ti trouxe algumas casas antigas bem bonitas...
Vai ver.
Beijinhos

António Melenas disse...

Olá, Amiga
Muito se aprende com as visitas a este teu blogue!
-----
Obrigado pela tua visita e simpático comentário
Beijinho

Eremita disse...

e que belas fotos e texto. Os brancos e os azuis dos moínhos, os campos, ...e nosso olhar que deles se embevece. Obrigada

Menina_marota disse...

Gosto do Algarve, longe dos turistas, longe de tudo o que o descaracteriza...

Belo Post.

Grata pela partilha e um grande abraço ;)

Isabel disse...

Vês ainda há povo e animais procurando o lugar em Janas.
Vês ainda há procisão e benção dos animais!
Mas a tua imaginação B é mesmo sempre mais bela que a realidade!
Que importa!
Tambem quero um lugar onde o silêncio seja dos passaros... se encontrasse um lugar assim o silêncio seria meu também não era B?
Não sei do meu silêncio
Não sei do meu lugar
Preciso abencoar-me algures
Ando farta de me rir
Quero um lugar assim B onde o silêncio seja dos passaros e me deixe escutar o que diz o meu silêncio.
Gostei tanto destas fotografias.
Hei-de ir a Janas.

Abraço-te

Meg disse...

E do Pedro Sem havemos de falar.
E dos Girassóis que me encantam e te significam. A esses resta-me olhá-los.
Beijinhos