sábado, agosto 29, 2009

Este Lugar Colorido

Sopa de pedra:
eu que tanto gosto delas, as pedras!
E sopas.


Alimento de corpo para satisfação da alma!

"Para nascer, Portugal:
para morrer, o mundo"
Padre António Vieira (painel de azulejos comemorativo dos 400 anos do seu nascimento, junto ao local onde nasceu)


Andar no apressado cinzento
ou parar só, olhando


Atentos aos sinais, às paredes, às janelas e portas,
ao respirar delas.


Atentos aos tons laranja
à terra azul
vestida de todas as cores.





Para WOLKENGEDANKEN

Este é um lugar de cultivo.
E como falaste nos tons "Laranja", planto aqui o que pensei e me sugeriste pensar.

Como que se aprende, ou lembra, andando por aqui em pontes.
Em pontas.

Deslaçadas que são as convivências comuns.
(porque o dia a dia afoga o que é simples? a troca de ideias?
a cortesia? a empatia?)

9 comentários:

WOLKENGEDANKEN disse...

Bettips !!!! Genial este post ! Quantas fotos tao diversas encontraste com contrastes laranja-azul .... E o meu contraste de cores cumplementares preferido: quente-frio, aberto-fechado, alegre-pensativo, fora-dentro etc etc ....

E verdade, é preciso cultivar o dia a dia: a atencao e como tu dizes a troca de ideias, a cortesia, a empatia ...... a vida, simplesmente a vida e a convivencia, o amor ....

obrigada, querida Bettips, um beijinho saido desta maneira de cultivar a vida :))

Justine disse...

Não afoga não, amiga, e o teu post é a prova disso:o teu olhar atento e terno, a tua cortesia, a minha empatia!
Um beijo

Ana Patudos disse...

Fantásticas cores bettips!
Pelos vistos, passaste pela bela Sopa da Pedra em Almeirim /Ribatejo.
Mas olha que a Sopa de Peixe não lhe fica atrás.
Boas férias
Fica bem
Ana Paula

heretico disse...

fico pela "empatia". na admiração pela forma como (te) dizes...

beijo

Teresa Durães disse...

belas fotos

Arabica disse...

Afoga, nada!

O nosso eu interior não apaga,
os olhos da nossa alma,
estão sempre ligados
nas empatias das cores que nos acordam.

Um abraço, grande grande.

Meg disse...

Querida Bettips,

Mal saída de um Agosto de canícula, trabalho... saturada de tanta insanidade dispersa e reinante, vim ver-te, olhar pelos teus olhos, sentir pela tua grande sensibilidade, vim sentar-me aqui no meu banquinho, em silêncio...de olhos também secos como esponjas...tentando esquecer o Verão, porque me é urgente o Outono... a chuva, o cinzento dos dias, as folhas secas, as pedras que deixei para trás no tempo...tu sabes quanto, minha querida Amiga!

Beijinho para ti

Rosa dos Ventos disse...

Que óptimas sugestões nos apresentas através do teu olhar sempre atento àquilo que te rodeia.
Obrigada pela partilha!

Abraço

jawaa disse...

Gosto das tuas janelas e cores...