terça-feira, fevereiro 09, 2016

Douro e Camélias

Já as via aqui e ali pelas ruas, nuns cantos duns senhores que não conheço nem vejo. Espreitando pelos muros de casas, muitas arruinadas, mas enfeitadas das enormes e luminosas camélias.
Desta vez não fui ter com elas: vieram elas ter comigo.
Olhando, numa improvável ida, ao Douro-de-amigos. A passar pelas terras de Torga. E elas anunciaram-me que nem o frio nem a chuva nem o vento das serras o lugar onde-longe
fica atrás dos montes















as impedem,
de amar, de serem amadas.

9 comentários:

Vieira Calado disse...

Um bela mostra, sim senhor!

Desejo-lhe saude e tempo para ir fazendo essas gloriosas visitas.

Saudações poéticas!

heretico disse...

camélias a ousar os limites.
por isso mais belas.

beijo

Era uma vez um Girassol disse...

Bettips, que lindas fotos das camélias que tanto amas....
Habituei-me ao longo dos anos a vê-las aqui, no teu espaço, fotografadas por ti.
Um must! Beijinhos

Justine disse...

A perfeição natural, aquela que a natureza nos oferece e nos reconcilia com o mundo do homens...

O Puma disse...

Tirem-me tudo

menos um verso

Bj

Mar Arável disse...

Há luz até na sombra das pontes

alfacinha disse...

Adoro as camélias, têm uns encantos atractivos .
Um jardim sem camélias não é um jardim.
abraços

greentea disse...

são lindas as camélias, no Douro ou em Sintra. mas nunca as consegui ter no meu jardim

Majo disse...

~~~
Muito belas!
~~~~~~~~