sábado, janeiro 16, 2016

Arredores de Lisboa

Descobrir lugares e nomes de que se ouviu falar e se leu: de repente dar com sítios do imaginário, de livros e referências mais antigas. Saber, olhar, sentir que o Tejo é aquele rio que dá luz, reflecte muito céu, quilómetros de céu na água.
Este é um dos meus grandes prazeres a seguir aos livros. "Chegar" a um lugar onde algo me espera e eu sei que gosto.



Ouro puro, reflexão de romance.
Cores do Oriente.


7 comentários:

Era uma vez um Girassol disse...

Lindas fotos, duma cidade que tem sempre tanto para ver e fotografar....
Obrigada pelas tuas palavras, só hoje as li porque fui dar mais uma voltinha. Falta contar as histórias, as impressões, os sentires....como costumava e os meus amigos virtuais tinham a paciência de ler.
Beijinho da girassol

heretico disse...

o "espírito do(s) lugar(es) tão bem captado por um olhar atento!
belíssimas imagens. as tuas!

(que sempre me foram arredias!)

Justine disse...

As cores, os portugueses de 500 trouxeram-nas então do Oriente!O ouro, de outras paragens! Só o rio e o romance é nosso...

Rui Fernandes disse...

O Tejo tem muitos lugares mas só em Lisboa ele é completo.

Mar Arável disse...

Belos estes espelhos
não mentem

Bj

Teresa Durães disse...

É esse sentido, esse estar, que me faz andar a procurar. A continuar. Belas as tuas fotos e palavras.

Ad astra disse...

Belíssimas fotos