sexta-feira, julho 20, 2018

Emaranhado

Não só (as)pessoas me espantam, eu espanto-me a mim mesma, com associações que faço, ou surgem, de memórias tão diversas como:
- ter 17 anos
- ir a caminho do inverso
- ter 60 e tal em tempo de jardins

- ter 6 e o zero que falta ser tão cheio! Que sonhava/ou que sonho, eu?

Jardins em Ponte de Lima, ano 2007


Gardénias iguais às que conheci, cheirei e descobri por mãos de arte, nos anos 60. Fui-as esquecendo. Estes arbustos estavam já nos "jardins" há 11 anos, 2007.
Em 2011, em 2015, havia camélias,

não sei porque não as fui ver, as gardénias, há coisas que (me)passam, pedras cobertas pela corrente de águas. Ponte de Lima tem o Lethes ali mesmo à beira: do esquecimento se diz, das pelejas entre Celtas e Turdulos e, mais tarde, avançando 136 a.C., do caminho dos Romanos pela península fora.
Ponte de Lima é um lugar encantador, onde muito se conservam os verdes, árvores, prados e flores.
Voltando ao presente, um pequeno passo hesitante atrás no passado: Alhariz e uma caminhada em 2010. Desfio as imagens de memória, os risos e o espantoso passeio, que mereceriam muito mais que esta referência.

O Festival deste ano, "O Clima nos Jardins", tem propostas interessantes, algumas muito criativas e mais por terem sido imaginadas e feitas por crianças. Sobre a diversidade e sobre o perigo de poluição/destruição que paira sobre o meio ambiente. Imagino as conversas dos mais pequenos e a produção dos trabalhos durante o ano. Ficam apenas alguns/poucos registos de tanto que se viu.






É um conto de fadas e mãos pequeninas!
E cá vem, a ponte, a do Lima:







Como estão pujantes as ramagens em cercadura!!!
... e as gardénias, afinal o que me fez começar esta deambulação/efabulação - sim, que tudo isto são fábulas e rábulas - pelas décadas.

4 comentários:

jorge esteves disse...

Nunca me lembraria de por zeros à infância! Olha, acho que não dá; é que tem de se misturar olhares que não se misturam, não achas? Como podemos, agora, construir castelos no ar? Mesmo que seja fácil (?...) sentir o cheiro da erva, ouvir os grilos e pintar a manta! Ainda há pombinhas, na Catrina?...
Ainda não fui, mas vou, vou. É que, por estes dias, Ponte de Lima (até Viana, até Viana...) estão tão cheias, tão turistadas!...
Mas vou ao jardim, vou...
Abraço!
jorge

Teresa Durães disse...

Ponte de Lima é a terre do meu pai. Ou era. Demasiados minhotos. Perderam o significado das pedras

M. disse...

A tua mente é um lugar em efervescência. Como a dos meninos.

Anónimo disse...

Ao contrário destes últimos anos, 20???, tive uma infância com muitos dias, longos.
Será por isso que finco o pé no pensar atrás.
Obg M.
B