segunda-feira, setembro 10, 2007

De Romances







Um casal olhando-se na pedra, a minha passagem no PPP para "Romance".
E tantas vezes, não olhamos.
Entramos no romance nus e cegos; e por isso desprotegidos dum final que nem sempre felizes nos faz. Ocasionalmente tentaremos reter o riso, o traço, o esmagamento dos sentidos.

As fotografias da exposição são, de alguma forma, uma conexão minha, "a relação entre o ser humano e a água", do nascimento até ao fim físico.
Um eterno enamoramento sólido e líquido.

Nós: as lágrimas que choramos por "romance"/nós: a emoção de não termos mais o humano ser para tocar.

A arte é de Manuel Carmo, na Mãe d'Água: "In Definition".

51 comentários:

Teresa Durães disse...

de termos esquecido no tempo o que significa a simplicidade de ser. Diria eu.

beijos

herético disse...

água: o principio de tudo!

Chanesco disse...

De todas a fotos retenho a última. Aquela em que Manuel Carmo escreveu na frieza da pedra todo o calor de um romance.

Abraço qaui da raia.

Quem Não Tem Cão disse...

Obrigado pela visita ao nosso cantinho!
Volte sempre que eu vou continuar a passear-me por aqui.
Saudações teatrais
Pingo

JPD disse...

Gostei muito desta edição.

Nenhum daqueles espaços interiores seria tão sugestivo se, em vez da água, fosse outra coisa.
A correlação entre as fotos (a sua sequênia e o texto seria naturalmente outra)
A água, dá dimensão especial, recria o ambiente, arrefece, apazigua.
A pedra, não sendo tão "maleável" sugere rigidez, reduz o campo das hipóteses

Gostei muito desta edição

Paulo disse...

Muito bonito, Bettips. O espaço é lindo, único, tem a magia de ter sido a Mãe da Água de Lisboa, porque era de lá que partiam as "águas livres" para os chafarizes, levadas através de dezenas de quilómetros de túneis. Uma obra magnânima.

Bj.

Maria disse...

Mãe d'Água - água - fonte/origem da vida.
Nós, as lágrimas, nós, que nos emocionamos.....
Que bom....

Beijo, bettips

Pitanga disse...

"E tantas vezes nos olhamos"

E não nos vemos!

beijos

nnannarella disse...

Imagino que estás aí.
Uma indefinição.

Mãe d' Água :)Que nome bonito lhe deram a essa raiz. E bem haja o Manuel Carmo.


Sabes o que eu acho ? - O enamoramento é sempre coisa líquida; a lágrima é sempre bem sólida.

Não chores de não ter para tocar.
Pois então não é tudo um despertar e adormecer ?

Vem aí o Outono. Oh, essa secreta ousadia das futuras primaveras.:)Dorme bem.kqcnbyi

jlf disse...

Bela a conjugação do teu verbo com o sublinhado e o traço de Manuel do Carmo... "A relação entre o ser humano e a água", de tão intensa, pode até levar ao “esmagamento dos sentidos”. É que... Quem pode garantir a força e o peso do romance? Se ninguém, muito menos os envolvidos.

até...

Sophiamar disse...

E no princípio era a água. Depois veio a vida.
Os teus posts são especiais. Há neles, uma ambiência, um sentimento, uam entrega a quem te lê que me faz sentir bem aqui. Quanto às fotografias , acho-as sempre uma maravilha.Fico deslumbraba, mesmo.
Desculpa a minha ignorância, mas o que é o ppp?

Beijinhos

Naeno disse...

TEM DIA

Tem dia que eu não ouço
Não digo
Não ligo
Nem faço raiva a ninguém
Mas também tem dia
Que eu mesmo tomo um sumiço
Que nem sei que diabo é isso
Que em teus braços me faz bem.

Tem dia que eu nada faço
Esqueço a dor e o cansaço
Desfaço um laço contigo
Mas depois corro perigo
Me abraço com teu feitiço
O meu maior inimigo
O mal que dorme contigo
O amor que me faz bem.

Tem dia em que me pego
Querendo que anoiteça
Que o sol descanse, escureça
Pr'eu esfriar a cabeça
E antes que eu me esqueça
Tem dia que quero isso
Tem dia que quero abrigo
Que sonho teu ombro amigo
Tem dia eu que sou ninguém.

M. disse...

Apreciei, bettips. As associações de ideias que te são muito próprias. A Beleza do Mundo nas tuas palavras e nas tuas imagens.

Manuelinho disse...

Nós somos nus. E cegos. Já não temos SER para tocar. Deixámos tudo isso algures num caminho labirintico.
É bom "sentar" aqui.
Abraços

rui disse...

Olá Bettips

Tens aqui umas fotos muito giras.
Gosto da cor e da luz dos interiores da exposição.

"a relação entre o ser humano e a água". Gostei do teu pensamento.

Beijinho

Licínia Quitério disse...

N'A Mãe d'Água há sonhos líquidos, vozes primordiais, e também a ilusão de abismos. Ali te inspiraste, substancialmente. Como sempre te acontece nos lugares que vão colhendo a tua passagem.

Um beijo.

TMara disse...

a água é um elemrnto vital.
Não me refiro à vida, nste caso.
Sigo o rasto dos teus pensamentos escritos.
Principalmente os que não estão escritos mas implícitos no jogo de palavras e dos olhares.
Teus, nossos e de todos os amantes.
Mesmo esses de pedra feitos.
Belíssimo
Bjs
Luz e paz em teu caminhar e ao teu redor

Ruela disse...

num pequeno gesto
que se escapa dos dedos
suavemente os espelhos
abandonam o seu reflexo
e deixam fotografar o
segredo da mudez e olhar...

viajante disse...

Um eterno enamoramento:os textos, as fotos,a Vida.

Era uma vez um Girassol disse...

Romance...
Gosto da palavra já em desuso, até muitas vezes com um sentido pejorativo.
Gosto do conceito, tento vivê-lo sempre.
O que eu perco por não estar em Lisboa...O que eu ganho por estar fora dela...
É sempre um dilema!!!
Pelas tuas palavras e imagens tenho assim oportunidade de assistir.
Bjs

Ana Ramon disse...

Um texto tão pequenino mas que diz tanto. A poesia das tuas palavras, dos teus pensamentos, obriga-nos a ler devagarinho, a saborear-te, voltando atrás e tornando a seguir num exercício sempre novo.
Bonitas fotos
Um beijinho grande

Maria P. disse...

"E tantas vezes nos olhamos"
E olhar na mesma direcção?...

Belíssimos "Romances"!

Beijinho.

Bandida disse...

a perfeita nudez da nascente. o que nasce sempre assim é. a emoção da água. venha de onde vier.


beijo B.

B.

Meg disse...

Mais um espaço que não conheço, a não ser agora, pela tua mão e sensibilidade.
Valham-nos os olhos para, por instantes, esquecermos a realidade
dos nossos dias.
Como sempre, com muito carinho
Beijinhos

Barão Van Blogh disse...

"Dóceis contornos esculpidos a cinzel
Que reflectem a frescura da sua pele"

Flor disse...

Chegou!! Para ti tb um beijo, e continue... pois tao lindo são teus pensamentos e o que escreve!

mafalda disse...

Olá Bettips,
Muita boa a fotografia, excelente a escolha para o tema "Romance". Este teu comentário esclarece, elucida e, ao mesmo tempo, reflecte e faz reflectir.

É bom estar de volta e visitar aqueles de quem gostamos.
Um beijo.

veritas disse...

Está sublime esta exposição. Obrigada por teres partilhado.

Bjs. Boa semana.

eremita disse...

Chego aqui e os olhos param, ficam a olhar encantados.
Bela expressão de amor na pedra, da pedra para nós.
Aproveito para dizer que publiquei um novo post e deixar um fraterno abraço.

Teresa Durães disse...

Mais romance não, vá lá!!!!

beijos

veritas disse...

Olá!

Passei para desejar um bom fim-de-semana.

Vida disse...

Saudades de cá vir, mais um excelente post e gostaria imenso de poder ver a exposição, já que vou estar aí no Porto na próxima semana. Deixo-te o meu mail para me dizeres onde a posso ver, vida45@gmail.com.

Beijos.

legivel disse...

... claro que não me escapou no PPP "o casalinho".

Gosto dessa ligação/relação das imagens, que tantas vezes representam "os romances" de todos nós. Com mais ou menos umas pitadas de ficção pelo meio.

abraço e óptimo fim de semana!

Sophiamar disse...

Passei para olhar a beleza das tuas fotografias.E o romance.E a água.
Beijinhos. Bom fim de semana.

maria carvalhosa disse...

Querida Bettips,

Gosto de todas as fotografias. A minha atenção, no entanto, já tinha sido alertada para a fotografia do trabalho de Manuel Carmo "escrito na pedra" que nos deste a ver no PPP, associado ao tema romance. Gosto, também, desta tua sucinta divagação sobre um tema, em palavras.

Beijos.

Jardineira aprendiz disse...

E no entanto a água traz a serenidade que falta...
Beijinho

hfm disse...

E eu que não estou em Lisboa...

jlf disse...

Voltando cá...
Para demorar um pouco mais nas fotos...

Curioso como as quatro primeiras têm algo de etéreo, de, digamos, intimista...

Gostei, de novo.

até...

nana disse...

ser humano é ser água.

herético disse...

beijo

Mustafa Şenalp disse...

Your blog is very nice:)

Tozé Franco disse...

Bonito.

O Profeta disse...

Mágnifico! ao vivo deve ser um espanto...

Hoje decidi recolher os sussurros da noite
Juntar em alquimia uma lágrima de alegria
Que meu coração recolheu dos teus olhos
E transformou em doce poesia

Nasci mil vezes, para morrer em amor
A contradição é o espelho da loucura
A palavra o começo do silêncio
Que em minha alma perdura


Boa semana

Mágico beijo

despertando disse...

"Amar não é olhar um para o outro, mas ambos na mesma direcção"
Gostei das fotos, gostei das tuas palavras.
Beijinho.

Jorge disse...

Bom post!

Dulce disse...

Nus e cegos. Desprotegidos. Apenas vestidos de esperança.
Beijos

butterfly disse...

Boas fotografias para abrir o apetite e ir ao M. da Mãe d'Água.

(Só hoje respondi, desculpa e obrigada.)

TMara disse...

já nem sei quantas vezes por aqui passei.
O certo é k os olhos se encantam sempre, como se a 1º vez,... e acalma a alma.
Bjs
Luz e paz em teu caminhar e ao teu redor

Isabel disse...

Água.
Água... Água, terra , fogo e ar.
Com água mole se esculpe pedra dura _____________________ Romance.
É com a água dos nossos olhos que nos enamoramos olhando a água de outro olhar, é água que o nossos corpos soltam em suores quando o fogo da paixão nos faz arder,são feitas de água as lágrimas que choramos quando a desilusão chega sem avisar e o que nos seca o coração molha a terra, forma rios e mares que a água não pode parar, e vão-se as lagrimas, fogem do rosto, enchem de água o ar, e no Há arco-iris feitos desta água que nasceu não se sabe onde mas sabemos que nos passou no olhar.
É de romances o que os teus olhos veem, o que eles sabem, o que nos mostram, o que ensinam...
Obrigada.
Um abraço sólido destes braços d'água...

Isabel

APC disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
APC disse...

... "dum final que nem sempre felizes nos faz". Sabes que mais? Nunca apreciei a expressão: "uma relação com um final feliz". Um final feliz? Mas que me importa o final? É tudo quanto não me importa, porque aquilo que é feliz queremos nós que perdure, que não se acabe tão depressa, já que o fim é inevitável. De algo verdadeiramente feliz, o fim é sempre triste.
Mas esquece, esta passagem.
Talvez a devesse apagar, contudo fica.
Fica também - e isto sim - que aprecio muito as imagens, a sua ordenação e aquilo que evocam, de força motriz de um parto vital - a Água-mãe; e do que a vida (e sim, o romance da vida) implicam de suor e lágrimas. Très bien ma chère! :-)