quinta-feira, setembro 06, 2007

Nessun Dorma



Estar já afastada do som tal como ele.
Não perceber a paisagem senão pela cortina da água, o gesto.

Hoje, calou-se para sempre a voz humana que tantas vezes me acompanhou a vida. Na praia, na noite, no amor e no desespero, no confinado espaço do meu pensamento e no ouvir pulsante.
No céu interior que nada e todos ocupavam, ouvia-o.
Indizíveis forças, ventos, penumbras, tomavam os meus braços para voar.
No som forte meigo alto
de Luciano Pavarotti.

Como hoje a noite e o espaço me são diferentes!

32 comentários:

Ana Patudos disse...

Como eu te compreendo e partilho o mesmo sentir.
O meu espaço também ficou mais pobre... uma amiga partiu para a longa viagem também. Tenho que chorar, pois a alma fica mais limpa.
beijo
Ana PAula

Maria disse...

Hoje o abraço é comum.
É um abraçar em todos cada um.

Escuta esta, a mim trouxe-me calma
http://www.youtube.com/watch?v=2uYrmYXsujI

Beijinhos

Klatuu o embuçado disse...

É uma grande perda, de facto.

Paulo disse...

Partiu. Os últimos tempos têm sido de perda das grandes referências da música.

JG disse...

Lugar comum ou frase feita:

«Faço minhas as suas palavras.»

Nunca expressaria melhor o que a morte do Pavarotti desencandeou em mim.

Você, da primeira vez, chegou-me a voar numa nota de um piano, na altura silente. Hoje chega-me como um rio. Tudo bate certo.

Bjj

APC disse...

Curioso... As tuas palavras, as minhas...
Não tive alma para postar, referi-me no meu espacinho de comentários. Fiquei triste!
... Por muito cheia que a vida seja, esvazia-se sempre um dia.
Foi-se um Grande!... Ma il suo mistero è chiuso in lei.

Um grande abraço para ti, minha caríssima!

Pitanga disse...

Até mesmo aqueles que não eram íntimos da música clássica aprenderam a ouvi-lo com o coração.
A versão de Me Sarajevo com U2 é algo inesquecível.

despertando disse...

Partiu, mas ficará sempre nos nossos corações.
Beijo.

eremita disse...

bonita homanagem em palavras simples mas plenas de conteúdo.
A vida é breve, mas fica a voz.
Fraterno abraço

jlf disse...

Imagens? Desta vez uma apenas. Forte. De eloquência bastante. Prenhe de significâncias várias, de beleza rara.

E as palavras?

São pérolas, escolhidas à pinça, pesadas em balança de laboratório...
Ricas, densas, certeiras. Não são, nunca, umas palavras. São, sempre, AS palavras.

De novo trago comigo, ao daí sair, uma sensação agradável. De leveza. De serenidade.

Até...

Meg disse...

Sabes que estou contigo, para quê mais palavras.
Espero-te, com mais girassóis
Beijinhos

Bandida disse...

a música tansforma-se na incapacidade da vida em forma de torno a apertar o silêncio. é a nota dissonante. esta coisa que se embrulha na voz e nos faz acordar um vibrato opaco. e fica a música a brincar por entre um lenço branco da memória de um suor cantado.


beijo B.

B.

Maria P. disse...

Concordo.

(não sou de muitas palavras nestes momentos)

Beijinho*

Era uma vez um Girassol disse...

Uma grande perda, uma grande voz, uma alegria contagiante e um modo de estar únicos!
Levou a música erudita a todos.
E com todos cantou!
Ficam a música e as imagens.
Beijinho

Manuelinho disse...

Fica sempre um desnorte comum, qd se ama o belo.
Sobram os registos. E as memórias.
Bjs

mena m. disse...

Pavarotti = Divinal!!!
Voltou às origens...

mac disse...

Perdemos nós, mas ganharam os anjos do céu (para quem acredita nestas coisas. Para quem não acredita: pudemo-nos considerar afortunados pelo tempo que este grande senhor partilhou connosco)

Manuelinho disse...

Acredito que tem de haver sempre mágoa no belo. Seria possivel criar sem dor, sem nostalgia, sem mágoa? Tem sim, de haver sempre mágoa no belo...
Uma boa tarde Bet.

M. disse...

Comoventes, as tuas palavras. Aprecio-as.

Sophiamar disse...

Infelizmente, o Grande Luciano partiu.
Nós, os que o amamos, nunca o deixaremos morrer.
Beijinhos

Era uma vez um Girassol disse...

Bettips, nâo quero criar grandes expectativas para não ter grandes desilusão...
Afinal eu queria estar apenas 1 ou 2 dias dias no Maputo e ir conhecer outras paragens, a província de Cabo Delgado.
Ainda vou tentar dar um salto a Pemba, o meu sonho.
Veremos.
Fotos e relatos, espera para ver.
Beijokas

Tozé Franco disse...

Felimente podemos continuar a ouvi-lo. É uma forma de continuar vivo entre nós.
Um abraço.

eremita disse...

Fraterno abraço e bom-fim-de-semana

Frioleiras disse...

Também tu ????

também tu te lembraste do Nessun Dorma????

Há instantes de telepatia...

Magnolia disse...

Perdeu-se apenas o corpo que deu lhe voz, essa, permanecerá sempre em nós.

um abraço

jawaa disse...

As árvores também caem... mesmo quando têm um grande coração. Felizmente para nós ele permanecerá enquanto quisermos...
Abraço

legivel disse...

... sim. Há gente assim que nos vai preenchendo pela positiva pedaços de vida. Luciano (foi) é um deles.

Sobre o "grupo escultórico que gostarias de ver" tenho mais fotografias que já não vou editar no blog. Se quiseres, envio-as para o teu endereço . O meu é:

baconfrancis@netcabo.pt

abraço.

nnannarella disse...

Olho as palmeiras da tua imagem e não me surpreendo que me pareçam estrelas. Há plantas (e mapas), relatos, jardins, toadas, nomes, encontros e olhares que nos acompanham pela vida como estrelas. Às vezes, da má sorte. A maioria, ao invés. E só essas me provocam memórias. Sempre boas, que não tenho competências para as más. :)
Auspicioso encontrar-te e já saber localizar-te no meu planetário privado. Não é fácil que em poucas palavras alguém aponte os detalhes e a sensações que eu indicaria, se falasse num jardim preferido ou na perda de uma estrela cantante. :)Bom início de semana e um beijo.

amigona avó e a neta princesa disse...

Estou contigo! Boa semana...

Flor disse...

Tantos sentimentos despertos pelo som da voz que neste mundo se calou.
Viverá na eternidade, através dos sons que ouviremos vindos de cds, vídeos, etc.
Como não sentir a tristeza chegando em saber que este mundo esta mais pobre agora que Luciano se foi...

Anónimo disse...

beijo com beijo...


gosto de te ver na minha amiga Nnanna...core luntane vaie...


beijo.


sempre.

/piano.

APC disse...

* in lui (perdão)

B***