domingo, janeiro 06, 2008

Alguma ecologia nostálgica


No tempo em que amigos dos arrabaldes me arranjavam pinheiros das suas terras.
Do que cheirava verde em casa.
Ou a câmara os vendia, módicos, e a gente enchia as mãos de resina, a procurar o mais lindinho.
O primeiro calendário do Advento, pedi-o a um amigo da Alemanha e era uma festa abrir as portinhas e as janelas em cada dia de Dezembro. Menino que se ria, de manhã.

Irresistível, este postal que me mandaram pela época.
Arrumo as festas e os papéis.
Árvore de dobrar, dourados, estrelas, bolas e luzinhas.
Restos de frutas secas, travessas de enxoval, velas e panos vermelhos com azevinho bordado.
Mensagens e artifícios.
Algumas - poucas - verdades.
uff...até depois!

8 comentários:

herético disse...

para quê as verdades? o Mundo sorri...

Justine disse...

Esse postal arranca-me da memória recordações de há 50 anos atrás,quando uma tia me mostrava feliz e orgulhosa os bilhetes de amor que receberaq e que começavam sempre por "Estimada menina".
Que delícia!

M. disse...

Menina de espírito irrequieto. Tu, claro.

jlf disse...

Talqualmente: por mais que se não queira, uma pessoa deixa-se arrastar por esta engrenagem excitatória...
Exacto: "mensagens e artifícios"... Mas vá: "algumas -poucas - verdades".
No fundo (e para a grande generalidade): cumprido o calendário.
Até...

ângela marques disse...

sinto-me tão bem neste tempo:)
Bjo

Amla disse...

belíssimo e muito bem conservado postal. Mas sabes k ao k me cosntou a IKEA o k "alugava" pinheiros verdadeiros. ìamos lá, tínhamos k pagar "X" e no final devolvíamo-lo. Excelente ideia, não é?
Ah o cheiro do pinheiro casa e o odor da lenha a arder na lareira...A noltalgis, por vezes, q.b, é coisa boa pq só somos nostálgicos das coisas boas guardadas no resarvatório da memória. Logo, é bom pq os coisas boas em nós.Arrumemos e guaredmos os artefactos com k simbolizamos o NATAL mas k dentro de nós ele se reforce a cada dia
Bjs Luz e paz

nnannarella disse...

Também me lembro de algo assim. E de os ver sem viço pelas ruas após os dias das festas. O cheiro a pinho permanecia; às vezes até mais alto, como se subisse de intensidade ao darem os últimos suspiros.

BC disse...

Entrei por acaso no blog, mas não deixou de me surpreender,gosto sempre de ver fotos antigas, com um cheirinho a alfazema, do tempo das minhas avós...que maravilha
Continue
BC