terça-feira, dezembro 07, 2010

Palavras de terceiros



Bagatelas.
São... "coisas que se dizem"! As conversas são um jogo de funda e pedra atirada: David-Golias e os pequenos ajudantes.

Nestes momentos, o que me apetece é colocar malaguetas contra
- a in verdade
- o mau gosto
- a má criação
- os olhos enviesados
- as palavras grosseiras

E sentar-me, sem desejar, estátua calada, na nudez das paredes.

12 comentários:

jrd disse...

Excelente!
Pois é minha Amiga, a linguagem das estátuas transforma as bagatelas a silêncios de pedra.
Um beijo

Alien8 disse...

Bem colocadas, as tuas malaguetas!
Um beijo.

myself disse...

Malaguetas, gindungo e quejandos!
Mas sentada e calada, nunca!
Às vezes, "a gente" abana, enfim!
Contra ventos e marés, temos de ir flutuando, e deixar que a tempestade passe.
Hoje estou hermética?
Tu sabes o que digo.
Um beijinho da Meg (myself)

Justine disse...

As palavras são instrumento para traduzir o pensamento, que pode ser honesto, correcto, ético, ou não. Pobres palavras, que tão abusadas andam!

Filoxera disse...

Boa ideia!
Beijos.

augusto, um entre mil disse...

sim, colocar as malaguetas contra isso tudo mas, sentar-me não...

Mar Arável disse...

O diagnóstico está feito

resta saber se a coisa vai com malaguetas

Bj

Lizzie disse...

Sobretudo desde que assumi novas funções, vejo cada vez mais isso tudo.
Do mais "alto" ao mais "baixo".

Como portas atiradas à cara dos velhos inúteis e outros empecilhos sensíveis ou frágeis para quem as palavras, as imagens têm o dom da cortesia.

Porque a boa educação é sintoma geral de respeito. Porque na discordância, quando existe, é diferente o apedrejar da dança elegante da esgrima onde uma estocada pelas costas é coisa sem glória nem honra.
(Costumo levar com uma pedra chamada "estrangeira" e já não me dói por via do calo)

O que vejo todos os dias são estátuas antropofagas mas sem vida nem pensamento.
Furunculos com pensos de ouro.
Atrasados na História mas já milionários de todos os futuros.

Por enquanto, Bettips, acho que ainda somos de carne e osso com recheio de nervos e sentimentos, capazes até de desenhar mundos numa "parede nua".

Apesar das pedradas, valha-nos isso.

Bjs

heretico disse...

coitadas das malaguetas! seriam elas a corar...

não desistas da palavras - ainda que as recolhas. calada...

sempre estimulantes e belas. as tuas.

beijos

Teresa Durães disse...

malaguetas colocadas em lugares certos.

Eu andei perdida no tempo, ainda aguardo a descoberta das pontas das memórias

Lizzie disse...

Fica o melhor possível.

Até Janeiro e um grande beijinho!

Lizzie disse...

...e o melhor para os teus visitantes também:)