terça-feira, agosto 23, 2011

Recuperar

os pontos de fuga que tanto me atrapalhavam no desenho
vou por aí e ali espreitar os verdes e os muros

e se encontrar coisas velhas e abandonadas,
recupero-me no amor de as olhar

abrando o garrote


farta de estar

sem cabeça para pensar
as coisas tão só minhas.


7 comentários:

Jorge disse...

Bonitas imagens. Esse rádio é uma caixa de saudades!

Rosa dos Ventos disse...

Que excelente amostragem!
Às vezes penso que não vale a pena guardar recordações...mas quando olho para estas imagens reconsidero!

Abraço

mfc disse...

As tuas fotos contam-nos lindamente o teu estado de espírito!
Gosteiiiiii...

hfm disse...

Gostei muito desta sequência aparentemente aleatória e, contudo, tão consistente!

bettips disse...

A minha (in)consistência a escrever é muito ambulatória, isto é, em qualquer lado e sem perenidade.
Surge do nada e volta para o nada.
Por isso por vezes tropeço em palavras minhas e é-me difícil imaginar que sou eu, como estava, o que pensava nessa ocasião.
Mas sou uma pessoa que tenta ser coerente. Comigo.
Obg

Anónimo disse...

Querida Bettips,
Dos ventos da vida me tenho refugiado nestes últimos dias na leitura das coisas lá no "quintal". 97 lá tão longe...!
Mas pedras, rios e flores continuo a perseguir. As outras, as de tropeçar e cair... hei-de ultrapassá-las.
Camélias,girassóis, viveiros de novo...
A paz e a verdade que aqui se respira, fazem-me bem.
Um beijo e... saudades, minha amiga e "madrinha"
M...

M. disse...

O silêncio das coisas que falam conforme o ouvido de cada um.