terça-feira, setembro 05, 2006

Learning to Pause I


Passa-se, simplesmente, que eu própria fiquei abalada com a minha lembrança aqui. Um blog serve para tudo o que quisermos mas para mim é um ponto de fuga e de encontro. Fuga e encontro. Isso. Mas não esta terrível saudade e nostalgia que me deu, sem côr, a preto e branco como a foto. Porque tudo vivido com entrega, nas mãos se encontra areia que se solta pelos dedos. Com ela, nós, o âmago de ter sido. Uns pintaram , outros escreveram e falaram. Eu fui.
E como sinto o despudor à solta
E como é preciso cegar os olhos para que o turbilhão se desvaneça
E como se fica tão triste com as árvores cortadas e as casas abandonadas, e os mochos bem falantes, e as páginas "presumivelmente" correctas mas andróginas

Farei a seguir o que entendo melhor, no agora.

5 comentários:

Teresa Durães disse...

raramente choro. Jurei a mim mesma aos 9 anos? não sei, por tanto ter chorado só que não mais o faria. De todas as vezes que acontecia, revoltava-me, ameaçava-me, agredia-me. É triste? Tinha 9 anos. O que sabemos da vida aos 9? Eu sabia e não queria. Queria ser pedra, robot. Recusei-me a crescer para não ser como os adultos.

Consegui até aos 15? As hormonas venceram. Entrei em silênciosa depressão. Como sempre fiz até não mais conseguir disfarçar. Até chegar ao ponto de não perceber momentaneamente o que era um eléctrico. Nem ler nem escrever. Nem pensar, claro. Há 5 anos. Tenho 36, quase 37.

Leio os teus comentários e o nó na garganta faz-se. As lágrimas proibidas não são soltas, já não sei chorar.

Como é possível que alguém que não me conhece dar-me mais carinho dos que os que me rodeiam?

Obrigada. Um beijo para ti

bettips disse...

É fácil, porque gosto de ti!
Boa noitinha ...e boa travessia...
(eu se tivesse de andar de barco para trabalhar, morria enjoada ah ah ah). Bj

Anamargens disse...

Como a gente se sente envolvida nas tuas palavras, bettips!
A isso que escreves, eu chamo desnudar a alma, sem medo, só com dor.
Não vale a pena esconder as nossas dores - talvez "arejá-las" as torne mais suportáveis.
Um beijo.

bettips disse...

Mensagem a anamargens: não vás embora, sentimos-te a falta. Essa transparência ... Bjs

Mónica disse...

belo