sexta-feira, setembro 02, 2011

De tempos idos e não voltados














Hoje a minha mãe disse que os dias mais felizes da vida dela foram
- quando eu nasci e no dia do meu casamento.

E porque não encontro medida nem para a ignorância nem para a maldade de então, anos 40/50/60;
nem para a desfaçatez de agora,

fica um apontamento que me comove e de certo modo ligado a essas épocas:
Vilarinho da Furna e a exposição no edifício do PNPG,
com pedras da aldeia submersa, recuperadas,
e reconstrução da vivência desses tempos.

Na Wikipédia, em inglês (na página em Português a descrição é curta!), é bem explicada a história desta aldeia comunitária, onde se exercia "uma democracia participada" que não agradava de todo ao regime.
Visitando a exposição, podem ler-se inúmeros testemunhos de escritores e ensaístas bem como fotografias da época (aqui reproduzidas).
Miguel Torga descreve duma forma sublime a sua despedida desta aldeia, no seu "Diário XI", em "Gerês, 6 de Agosto de 1968"

(a tal de "electricidade", pagou de indemnização
o preço de metade duma sardinha, 5 tostões, pela terra,
5 escudos/m2 pelo espaço ocupado,
com uma mala de contos de réis resolveram o passado, o presente e o futuro,
a vida e a morte de 300 pessoas

- vem a propósito do aumento da conta da luz, não é verdade? porque sempre os mesmos sacam o mesmo, bem que tragam canudos e laudas,
folhas com gráficos a subir e a descer,
que lhes ficam tão bem no falar).


9 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

Uma dor quando olhamos e vemos os dedos erguidos da aldeia que não nos deixam esquecer!
Bela retrospectiva!

Abraço

isabelua disse...

Que lindo!!!
Belos passeios.
De volta ao trabalho fica menos tempo para o resto...
E por aí. DE volta a casa?
Beijo I

jrd disse...

A tua Mãe deu à luz e ela fez-se e a terra ficou mais rica e luminosa.

Abraço

Jorge disse...

Como é bonito o tempo que não volta mais!

lino disse...

Belos, texto e imagens. Pode ser que depois do Moedas venha o Notas (de 500€ s.f.f).
Beijinhos

mfc disse...

As "coisas" não mudam mesmo!

Somos um povo cretino!

M. disse...

Lindo o que a tua te disse.
Complexo o que vai dentro do coração de cada um.
***
Belo e sensível também o teu olhar sobre a alma de uma comunidade.
Gostei muito.
Voltarei para "descer o rio" das tuas imagens e palavras na minha canoa há muito encostada a uma outra margem que não esta.

M. disse...

Claro que queria dizer "a tua mãe".

Mar Arável disse...

Uma bela viagem
pelas memórias

Boa partilha