sexta-feira, fevereiro 23, 2007

Mons Sanctum II













Desta aldeia, ficam recordações de partilhar e conversar o almoço com outras pessoas, desconhecidos que brindaram à hospitalidade. Falo sempre com as pessoas dos lugares que gosto. Aprendo imenso, oferecem-me ovos ou laranjas que não aceito, vou de viagem.

Mas comprei a marafona, o adufe, o queijo, os postais, biscoitos para o caminho. Formas de interagir com a terra. E tento reconhecer o que é genuinamente nosso e ouvir "os de lá", troca da minha cultura de livro pelas suas tradições e saberes.

Perdi-me até a fotografar a "casa dos porcos" no caminho do Castelo, que tão bonita era e me fez pensar na coexistência pacífica.
E a raiz de nós por onde andará?
Como todos estes rostos de pedra que nos espreitam, imutáveis, há tantos séculos, sempre
iguais, sempre diversos.

23 comentários:

despertando disse...

Só posso agradecer-te por me proporcionares um principio de dia tão português. As fotos estão soberbas e fiquei com uma vontade enorme de sair e ir por aí sem destino...
Beijinho
Bom fim de semana

Maria P. disse...

Nem sabes como eu me perco nessas aldeias, ou melhor como me econtro!

Magnífico o teu roteiro.

Beijinho e bom fim de semana*

Bela disse...

As viagens pela nossa terra são tão agradáveis...a pedra já faz parte de nós...
Beijinhos

Mr_Lynch disse...

Bettips;
A tua imagem de apresentação despertou-me a atenção, pois até à pouco tempo trabalhei num estudo ao Klimt.

As fotos são excelentes. Não conheço Monsanto mas a descrição que elaboraste no post anterior associada às fotos, despertou-me a curiosidade.

Mr. Lynch

sa.ra disse...

vim deixar-te um beijo, um coração de borboleta e desejar-te um feliz fim-de-semana!

beijocas
gosto mt de ti!

Vida disse...

Lindas as fotos e tão portuguesas, é assim que eu gosto de viajar, carro e percorrer esta terra linda que é Portugal, parar onde me apetecer, falar, conviver, conhecer, enfim que vontade tenho de o poder fazer.

Beijos e bom fim de semana.

Jofre Alves disse...

O que dizer, perante tanta beleza, que nos esmaga e entusiasma?! As fotografias são dum magnífica e apreciável qualidade, a revelar o bom gosto e estética. Tudo lindíssimo! Parabéns e óptimo fim-de-semana.

greentea disse...

conheço essa casa dos procos , fiz fotos tb , mas na altura desiludiu-me um pouco essa aldeia de Monsanto, tão badalada como a mais portuguesa mas onde na época não conseguimos sequer beber um café ou ficar para almoçar...

Aliás , seguimos depois até Bragança , sempre pelo interior , junto à fronteira e assistimos a essa cena constantemente. Na altura , entre a Guarda e Miranda do Douro quase nada havia , embora atravessassemos locais carregados de história , outros paradisiacos...

Mas é assim Portugal!

Beijinhos.

Maria Manuel disse...

Eu andei por lá há muitos anos, a querer ser simpática e a escandalizar uma velhinha de preto, que às tantas firmou mais o olhar e soltou, atónita: Mas ela tem dois brincos na mesma orelha...!!! :-))

Tão bonito o lugar! E que belas fotografias!

Estranha pessoa esta disse...

Adoro essas aldeias.. esses cheiros, essa calma... esse transportar para outro Tempo.. para outro sentir, para outro reencontro!
..

Gostei muito destas, e das outras imagens.. Gostei muito da tua companhia.
Mesmo!

Um abraço muito grande para ti.
Mesmo grande!
Apertado **

Diafragma disse...

Lindíssimo este teu passeio e as tuas descobertas.

M. disse...

Gosto do teu modo de escrever: leva-te agarrada. :-)

pitanga disse...

Este é o país que amo e que escolhi para meu. Os lugares nos segredam historia, nos ensinam a viver e apreciar o simples, o puro. Meu coração canta quando vejo fotos como estas ou vou a lugares que de perdidos não têm nada.
beijos e obrigada.

segurademim disse...

... os livros não têm o cheiro, os olhares, os sorrisos

também gosto de me perder por aí

bom fim-de-semana :))

bom dia isabel disse...

e gosto tanto deste blog! Viagens? Contactos com as gentes? Fotografias?
Se gosto! Fi-lo há dias. E como são cordiais as pessoas do norte!
Fico cheia. Gostoso mesmo.
Beijinhos

Chanesco disse...

Fotos soberbas de um sítio emblemático para as gentes da raia idanhense.
O Monte Santo, agora denominado Inselberg granítico de Monsanto, considerado pela UNESCO uma das cinco jóias mais valiosas que integram o Geopark Naturtejo da Meseta Meridional, era descrito por aqui com este verso:

Nunca se soube em Monsanto,
Onde a águia roça a asa,
Se a casa nasce da rocha
Ou se rocha nasce da casa.

Um abraço raiano

Kalinka disse...

Que bom que retornei ao seu cantinho.

Na nossa caminhada de Vida, muitas vezes temos que nos apartar do mundo e ficarmos a sós connosco. Para reflectirmos e adquirirmos forças para seguir, porque tudo é um caminho sem volta.
Estou aqui e estarei sempre.
Não esqueci que, pelas tuas palavras, eu percebi que o mundo continuava ali, e que era hora de voltar a vivenciá-lo. Elas, na época, foram a força que precisei para inciar esta nova caminhada que, hoje, me é tão prazeirosa.

Beijitos.
Bom fim de semana.

M@Teresa disse...

Que bom que foi este passeio por esta aldeia tão bonita!

Mónica disse...

a casa dos porcos é magnifica :-)

Licínia Quitério disse...

Que prazer revisitar pelos teus olhos este lugar que é ao mesmo tempo tão remoto e tão próximo da raiz que fomos. Sinto sempre um fascínio e ao mesmo tempo um vago temor pelas serranias. Sou planície...

Obrigada pela companhia.
Beijinho grande.

Tozé Franco disse...

Grandes fotos de uma aldeia muito bonita. Só falta mesmo o som dos adufes.
Boa semana.

Betty Branco Martins disse...

As fotos são maravilhosas.

Monsanto é tudo o que "Chanesco" diz reforçando o teu excelente texto

Beijinhos com carinho

margarida disse...

É por estes lados que vivo. De minha casa vê-se o morro deste ninho de águias - o que não é difícil, porque se vê de quase toda a parte nestas larguezas de colinas.
Aparece sempre a emp7urrar a minha porta (só) encostada.
Margarida