segunda-feira, abril 05, 2010

A quinta (pequena) de A.








"Estou mesmo a precisar
de uma injecção
de essência de rosas"
Poema de Jorge de Sousa Braga em "Poeta Nu", um homem do Porto, um homem de época conhecida.

Havia num repente em mim um
"há que tempos"

... que não andava num caminho com camélias de tocar
- serem acessíveis como minhas e sem nome de família -
e sabe-se lá porquê? são coisas que se sentem ao encontrar couves belas como flores, bichos com nome, "chamar os bichos" e eles virem, estar ao lado duma pessoa que pega numa lesma como eu pegaria, ou num pombo recém-nascido. Ah e as ervas...
Todo este silêncio pesado-amaciado por uma "paixão dos sentidos", pelo tagarelar entre os cheiros de terra, olhar de monte, toque de pedra, som de harmonia.

15 comentários:

Maria disse...

A fotografia do tronco está fantástica. Mas... lesmas... não, por favor! Até fico arrepiada :(

Beijinho

Licínia Quitério disse...

Tempo de reencontros apaziguadores, de fomes saciadas, de respirações fortes, de aprovisionamento de essências florais.

Beijo, beijo.

Rosa dos Ventos disse...

Também estou a precisar de uma injecção destas!
A couve está o máximo...
Mas todas as fotos são lindas, mesmo a da lesma! :-))

Abraço

Justine disse...

O contacto com o primordial, com as nossas raízes telúricas - para nos reencontramos e ao nosso rumo!Essencial, sim.
Que estejas mais apaziguada:))

Anónimo disse...

E
Que bom saber que, regressada à Natureza, tudo fica suave... mesmo a saudade
I
(só gostava de saber onde são esses cenários que me aligeiram as âncoras e me dão a imagem das coisas vistas do céu?

segurademim disse...

open space open air

e erva príncipe tem?
esta semana estou em sintonia com os chás ervas
tb me acalmam tb me saciam e transportam-me a um outro tempo em que o chá me chegava por mãos enrugadas de saber, com carinho, entre conversas de malícia e risadas estridentes

bj :)

Filoxera disse...

Lindo, este post!
Poético, e com cores extraordinárias.
Um beijo.

heretico disse...

belo este recorte bucólico...

(importará porém olhar o outro lado do silêncio. e da sombra...)

beijo

M. disse...

Bonito e fresco, a apetecer rebolar na erva. Ou prová-la, como a R. :-))

mdsol disse...

Síntese perfeita a que escolheste!

:)))

Alien8 disse...

É um regresso. De algum modo. Sente-se nas fotos, pressente-se nas palavras. Ou então sou eu.

Um abraço, grande.

hebdomadarius disse...

Vim agradecer a visita a nós. Obrigada pelas palavras bonitas, és sempre tão gentil. Sabes, os teus espaços e bichos não ficam atrás, as tuas camélias, essa japoneira imponente, essa lesma que eu já não sei de pegaria, tudo tão comovido e vivido aqui. E por aqui abaixo.

Eu tenho descuidado o meu blog, este é só para «arrumar» algumas das nossas imagens bonitas, uma outra forma de escrever a vida, em fotos. O inverno dá conta de mim, dos meus ossos, mais o meu cachorrinho cheio de artrite e envelhecido antes do tempo («ainda» só tem onze anos:))Não me tem apetecido escrever, mas já renasci Miruii, agora falta nascer de novo a Jawaa.

Tocou-me - pela verdade inscrita - o excerto do post acima, só falta acertares tu, se achares por bem, o que o tradutor (ou o editor)deixou passar e tira o verdadeiro sentido à frase: «saber demasiadas coisas sobre os outros, põe-nos sob a sua alçada...»

Um beijinho nosso

Rui disse...

A mim cabe-me sempre por sorte as expressões soezes. Diria então: "que beleza de hortaliça!". Admiro e gosto de falar com as lesmas. Estas nunca me dizem: "agora não, não tenho tempo para te ouvir, estou cheia de pressa e tenho imeeeensos compromissos". É a diferença entre dois mundos: um, em vias de desaparecer, em que as coisas têm tempo; o outro, em que vivemos, em que o tempo tem as coisas. Nostalgias!... Beijo

Há.dias.assim disse...

Que delícia! há que tempos...

paulo da ponte disse...

O "Poeta nu", do Jorge Sousa Braga não é só um livro, pode tornar-se a verdadeira "bíblia" de cabeceira.