terça-feira, novembro 07, 2006

Estados/sentires I




Sensações

Tentar agarrar-me à terra como raiz que persiste
Sobreviver flutuando à tona duma água/presente qualquer
Despenhar/despejar no azul de ilha
Subindo uma longa encosta (ao fundo, a curva e só)
Planar acima dum nevoeiro que ameaça avançar sobre a lagoa e o mistério

Uma questão de ir aguentando. As fotos são estados meus.

8 comentários:

Teresa Durães disse...

olá

podes estar a sentir-te só mas a olhar as tuas lindas fotografias fica a dúvida, sabias?

e depois é a doçura com que escreves!

tem umaboa tarde!

Rach disse...

As tuas palavras tocam-me. por nelas haver poesia, mas também saudades do azul, da água orvalhada, das cascatas, da lagoa que dizem do fogo, de uma povoação de sete cidades, do terra nostra...da ilha de bruma e de mistério
diz-me o teu cisne é o do lago ou aquele de sibelius?
:)

Um outro olhar disse...

bonitas as fotos e bonitas as palavras
numa harmonia bonita de ler e de se ver

:)

Sofia disse...

Isto parece-me os jardins do Palácio da Pena em Sintra.

DIAFRAGMA disse...

Lindíssimo. Tudo.

Moura disse...

Belas fotografias e belas associações de sentimentos expressos pela arte da fotografia.
Abraço

aprendiz de viajante disse...

Tão bonito ver aqui percusos que faço muitas vezes, olhar pelos teus olhos o que nunca me canso de ver...

Gostei, muito!

silencebox disse...

são estados/sentires cheios de pureza, de oxigenio límpido... Um belo cisne com um filhote, é uma ternura! Que poderosas são as raizes de uma arvore, visivelmente bem agarradas à terra... Até as tuas palavras são profundas e tocantes... Gostei muito!
Um abraço