domingo, maio 18, 2008

Os "quês"





Que escreveríamos, prisioneiros de nós, nas paredes?
Que flor nascerá na ferrugem dos nossos gestos?
Pois, é domingo à tarde! E chove Maio.
Os dias santificados são uma carga de trabalhos, para os crentes e para os não.
Retratamo-nos ou espelhamo-nos.

"The Sounds of Silence" growing.

11 comentários:

Filoxera disse...

Um bom Domingo para ti.
Beijos.

velha gaiteira disse...

beijinhos de uma velha gaiteira

Jardineira aprendiz disse...

Que escreveríamos, prisioneiros de nós, nas paredes?

Desenharíamos flores!
Exorcisaríamos demónios em forma de medos. Se calhar não chega. Mas à falta de melhor...

Bjinhos

Justine disse...

Os silêncios temos de ser nós a preenchê-los, se for essa a nossa vontade.
Neste domingo sei lá se santo mas chuvoso e tristonho, enchi a casa com netos de amigos, e fiz uma festa de família emprestada. Foi bom!

jlf disse...

Talvez nem nos demos conta das respostas, de tal modo nos deixamos envolver com "the sounds of silence" growing...

O Profeta disse...

Solta nota de uma flauta
Um retrato preso à mão
Um tambor fora do compasso
Segue o bater de coração


Convido-te a partilhar as emoções
Deixadas pelos ponteiros de um relógio…


Boa semana


Mágico beijo

legivel disse...

... à cautela, descansei da escrita e libertei-me de mim. Encontrei-me rapaz de Lisboa, na dita, atentando nos raros passeantes de uma baixa da cidade com as pastelarias fechadas. Como hei-de ter fé, se nem alimento a alma com um pastel de nata ou... uma barriga de freira?

M. disse...

"Retratamo-nos ou espelhamo-nos". Se calhar é isso mesmo.

bettips disse...

Sinais dos tempos idos(ou hoje, substituição partidária): as placas "Louvado seja..."eram apostas nas portas dos cristão-novos, para evitar serem perseguidos e assim dar testemunho da sua conversão e fé cristã. Já não é a primeira vez que encontro/procuro estes símbolos noutras terras. O que sempre me fascina olhar, pensando na intolerância e perseguições do homem pelo homem.

TMara disse...

vir aqui, andar por aqui,é bom. As palavras soltas como aves num olhasr sempre atento ao munod, sua beleza e contradições...
______________Obrigada.
Sobre os textos e o teu comentario na minha casota: não me importo que as coisas feitas por outrém sejam melhores do k as k eu faço. Gosot de ver e ler coisas bem feitas. Sejam elas quais forem. e fico fleiz por quem as fez e por eu as poder ler ou contemplar. e sei k posso aprender e melhorar(-me).
Bjs
Luz e paz ao teu redor e em teu caminhar

Perdido disse...

Quando vejo inscrições nas paredes, desconfio. Foi bom teres deixado esse comentário sobre os cristãos novos: aprendi qualquer coisa de jeito. Manda mais informação.

Junto às grades de ferro acontece nascerem flores (coloquei todo o ferro ferrugento dos restos da minha obra junto às raízes das árvores à espera de lhes dar um bom suprimento desse elemento. Assim conseguísse arranjar potássio).