terça-feira, março 31, 2009

Opinião




Disse-me um rapaz de Lisboa, por causa dos incêndios e, bem o sabemos nós, outras canalhices:

... para os vorazes e estúpidos o raciocínio é simples: "que interessa isso se nós não perdemos tempo a amar o belo ou a congeminar sobre efeitos devastadores na natureza (e no homem) em futuros que não viveremos? A nós o que interessa é o presente e o mais faustoso possível".

Então eu também cogitei como ele: e não se pode exterminá-los?


11 comentários:

Justine disse...

Isso é o cúmulo do egocentrismo e do egoísmo! Mas porque será que não me admiro?

Meg disse...

Bettips,
Ah... também te lembras do filme!
Eu associo-me ao teu ... e não se pode exterminá-los?
Radicalmente.

Beijo

Jardineira aprendiz disse...

Hum... mas depois seríamos como eles.

É verdade que às vezes apetece...

Bjinhos

Licínia Quitério disse...

Cruamente, digo: Pode, mas não resolve. A limpeza tem de ser mais profunda. Um dia, quando gente digna conseguir ensinar aos estúpidos que o egoísmo conduz à devastação de tudo e também deles próprios.

Por esses, os de hoje, sinto nojo e um profundíssimo desprezo.

Beijo, B.

jl disse...

É a tentação intolerável da intolerância!

bettips disse...

Remeto estes meus amigos para a explicação de hoje: trata-se de um jogo de palavras (com a peça de Karl Valentin) - coisa que eu adoro fazer, jogar com palavras sentimentalmente e com a mente.

Arabica disse...

São cada vez mais os vampiros, Bettips.



Vamos lá exterminá-los.


Beijo

M. disse...

"De pequenino se torce o pepino"... Será essa a única maneira de evitar o descalabro completo. Exterminando o egoísmo de uma sociedade materialista e oca. A esperança estará nas crianças, mas só se lhes for ensinado algo melhor e mais interessante do que o que encontram em grande parte das famílias.

Filoxera disse...

Fizeste-me rir!
Beijos.

Alien8 disse...

Bettips,

Parece que não, pelo menos por enquanto... ah, mas as coisas mudam, as coisas hão-de mudar.

Um beijo.

jl disse...

Aliás o que eu queria mesmo dizer era: "é a tentação intolerável da tolerância!" - o que é basto grave, mas é verdade.