quinta-feira, abril 17, 2008

Ilha - Gente habitada por flores







Em dias, somente algumas horas de sol.

No sábado ainda morno, o "Muro da Esperança" também não me pareceu grandemente animado: mais o vi como uma cerca baixa. Calculava que, com esse nome, fosse um monte enorme, uma parede alta coberta de flores, tal como a expectativa de melhores dias.
Esperançados eram os sorrisos dos jovens.
Cumprem a tradição e pensam o futuro?
Esperava mais entusiasmo!
E como choveu imenso, o cortejo da Festa da Flor, não se realizou no domingo marcado.

Dava pena ver as crianças como borboletas molhadas e desiludidas: uma cena "Felliniana" contendo toda a poesia do improviso.

4 comentários:

Maria disse...

Tenho visto por aí foto-reportagens sobre a festa das flores na Madeira. Seguramente muito bonita, este ano foi pena haver chuva...

Beijo
(não sei quem é a Maria rosa-amarela...)

Justine disse...

Ah, ainda há pessoas-flores na Madeira, captadas pelo teu compreensivo e terno olhar.

E a chuva é efémera, assim como os homens que tudo destroem,tenhamos a certeza que o sorriso voltará um dia aos belos rostos destas jovens

Teresa Durães disse...

gostei deste relato de uma festa que desconheço

beijo

ângela marques disse...

:))) tão longínqua e tão próxima essa ilha...
beijo um pouco fanhoso