segunda-feira, abril 21, 2008

Ilha - Mercado dos Lavradores I










Os espaços da comunicação.
Os peixes, as frutas, as gentes no seu linguajar antigo.

(Lembro o Mercado do Bolhão antes dos reis do plástico, da dinamização e das "beijocas" nas vendedeiras.
Sobreviverá às opiniões dos predadores que desumanizam a cidade e explusam as eco-pessoas?)

Por mais que discorde das javardices do poder, será que houve inteligência em manter estes nichos de mercado, onde a naturalidade se oferece a quem a estima?

7 comentários:

Justine disse...

Aí bate o coração vivo da cidade, no dia-a-dia difícil mas sem expulsar a beleza

jawaa disse...

Ai flores, ai frutos, que beleza...
Obrigada

mena m. disse...

Betipps,

este mercado é um museu vivo!

Que cores, que gosto, que carinho na apresentação dos produtos!

Dá vontade de provar de tudo...

M. disse...

Fantástico o que captaste no mercado. Lindo tudo isto, toda esta cor, toda esta presença muito viva da vida de cada um. Imaginamos o trabalho silencioso por trás destas cores de que tanto gostamos.

Bichodeconta disse...

Fiquei deliciada com o bom aspecto das frutas, das flores, da vida que emana destas fotos... Por isso continuo a gostar de mercados..um abraço, ell

jlf disse...

Temático, está confirmado que sim.
Organizados os álbuns. Com observações muito adequadas. E pertinentes. Cáusticas, qb, quando necessário.

Cândida disse...

já deste o congro ao padre!?

:) besitos cadela-même